OS IMPACTOS DA PANDEMIA COVID-19 NA VIDA DAS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

Resumo

As pessoas com autismo, por sofrerem com adaptação de alteração do desenvolvimento neurológico presente desde o nascimento ou começo da infância, diante do brusco rompimento da sua rotina, podem apresentar momentos de irritabilidade. Tal fato ocorre pela dificuldade causada pelo transtorno como entrave da interação social, devido a limitações na comunicação, além de alterações comportamentais, como manias, interesse restrito em coisas específicas e sensibilidade sensorial.  Mediante aos fatos apresentados, e pela experiência dos autores na prática profissional, surgiu a preocupação com os impactos que essas pessoas estariam vivenciando. Desse modo, este artigo tem por objetivo tratar das questões relacionadas aos impactos do distanciamento social nesta pandemia provocada pelo vírus COVID-19. O distanciamento social determinado pela Organização Mundial da Saúde, para conter o avanço do coronavírus, tende a impactar exponencialmente as pessoas com Transtorno dos Espectro Autista. Neste contexto, pesquisou-se a respeito da quebra da rotina e seus efeitos prováveis na vida dos autistas, e saber como eles podem vir a se comportarem na fase do confinamento. Também, sugerir aos familiares a aplicabilidade de ações com fim de minimizar os prováveis efeitos pela interrupção da rotina dos autistas ao utilizarem atividades práticas que os levem à compreensão e desenvolvimento. Até porque, o processo de socialização, importante nas relações sócias dos autistas e a possível interação com outras pessoas, como a participação nos espaços sociais já destinados ao desenvolvimento, como os ambientes escolares e terapêuticos, ficado comprometidos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Pesquisador e Professor na Universidade Estácio de Sá. Professor na Faculdade Internacional Signorelli. Mestre em Desenvolvimento Local pelo Centro Universitário Augusto Motta.

##submission.authorWithAffiliation##

Pesquisadora e Professora na Universidade Estácio de Sá. Professora Adjunta do Programa de Pós-graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

##submission.authorWithAffiliation##

Professor do Secretaria Municipal de Educação Mesquita.

##submission.authorWithAffiliation##

Pesquisadora e Professora na Universidade Estácio de Sá. Mestre em Desenvolvimento Local pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM).

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Autism Spectrum Disorder. [Filadélfia]: APA, 2013. Disponível em: https://www.psychiatry.org/File%20Library/Psychiatrists/Practice/DSM/APA_DSM-5-Autism-Spectrum-Disorder.pdf. Acesso em: 31 maio 2020.

AUTISMO E REALIDADE. Cartilha autismo e educação. São Paulo: Associação de Estudos e Apoio, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em: 23 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 30 abr. 2020.

CAMARGO, S. P. H.; BOSA, C. A. Competência social, inclusão escolar e autismo: revisão crítica da literatura. Psicologia e Sociedade, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 65-74, 2009.

COLL, C. et al. Desenvolvimento psicológico da educação: transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. 4. ed. São Paulo: Aquariana, 2007.

DANTAS, L. E. R.; BERNARDI, R. Covid-19 e o direito brasileiro: mudanças e impactos. São Paulo: Tirant lo Blanch, 2020.

FREYRE, G. Como e porque sou e não sou sociólogo. Brasília, DF: Ed. UnB, 1968.

GADIA, C. A.; TUCHMAN, R.; ROTTA, N. T. Autismo e doenças invasivas de desenvolvimento. Jornal da Pediatria, Porto Alegre, v. 80, n. 2, p. 83-94, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n2s0/v80n2Sa10. Acesso em: 05 mar. 2020.

KAKU, M. O futuro da mente: a busca científica para entender, aprimorar e potencializar a mente. Rio de Janeiro: Rocco Digital, 2015.

KHOURY, L. P. et al. Manejo comportamental de crianças com transtornos do espectro do autismo em condição de inclusão escolar: guia de orientação a professores. São Paulo: Memnon, 2014.

MARTINEZ, L.; POSSÍDIO, C. O trabalho nos tempos do coronavírus. Brasília, DF: Saraiva, 2020.

PAPA FRANCESCO. Vida aprós a pandemia. [Vaticano]: Libreria Editrice Vaticana, 2020.

PARKE, R. D.; BURIEL, R. Socialization in the family: ethnic and ecological perspectives. In: DAMON, W.; LERNER, R. M. Child and adolescent development: an advanced course. Hoboken, NJ: Wiley, 2008. p. 95-138.

PIAGET, J. Psicologia e epistemologia: por uma teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Forense, 1972.

RIBEIRO, J. P. Vade-mécum de gestalt-terapia: conceitos básicos. 2. ed. São Paulo: Summus, 2006.

SIQUEIRA, T. D. A. et al. Síndrome de savant: compreendo sua evolução e tratamento através da literatura. BIUS - Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia, [S. l.], v. 12, n. 5, p. 1-12, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/BIUS/issue/view/323. Acesso em: 30 maio 2020.

VYGOTSKY, L. S. Construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

WALTER, C. C. F.; NUNES, L. R. O. P. Comunicação alternativa para alunos com autismo no ensino regular. Revista Educação Especial, [S. l.], v. 26, n. 47, p. 587-602, 2013.

WATZLAWICK, P., BEAVIN, J. H., JACKSON, D. D. Pragmática da comunicação humana: um estudo dos padrões, patologias e paradoxos da interação. São Paulo: Cultrix, 1998.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
BARBOSA, André Machado et al. OS IMPACTOS DA PANDEMIA COVID-19 NA VIDA DAS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, [S.l.], v. 24, n. 48, p. 91-105, jul. 2020. ISSN 2177-8337. Disponível em: <http://revistaauditorium.jfrj.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/357>. Acesso em: 29 set. 2020. doi: https://doi.org/10.30749/2177-8337.v24n48p91-105.