O PROCESSO ESTRUTURAL COMO MECANISMO DE ACESSO A DIREITOS SOCIAIS POR GRUPOS VULNERÁVEIS: ressignificação do papel do poder judiciário

Resumo

O presente artigo busca trazer uma proposta de atuação do Poder Judiciário em face de políticas públicas em favor de grupos vulneráveis. A dimensão coletiva dos direitos sociais assume relevo para restabelecer a perda do equilíbrio das relações sócio-econômicas de determinados grupos sociais sistematicamente excluídos dos direitos sociais e dependentes do Estado do Bem Estar Social para assegurar-lhes o mínimo existencial. Será explorada a possibilidade dos juízes mediarem esforços para uma interlocução com as partes e especialistas assim como de atuarem em ações coordenadas, desenvolvidas em etapas, para a implementação do direito social postulado em favor da coletividade.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Master of Comparative Constitucional Law pela Samford University, EUA. Especialização lato sensu pela Instituição Toledo de Ensino, ITE, Brasil. Graduada em direito pela Instituição Toledo de Ensino, ITE, Brasil. Exerce o cargo de juíza de direito na 2ª Vara Criminal de Bauru/SP e de coordenadora do Anexo de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Bauru/SP. 

Referências

ARANTES, Rogério Bastos. Direito e política: o Ministério Público e a defesa dos direitos coletivos. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 14, n. 39, p. 83-102, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v14n39/1723. Acesso em: 24 jun. 2020.

ARENHART, Sérgio Cruz. Processos estruturais no direito brasileiro: reflexões a partir do caso da ACP do carvão. Revista de Processo Comparado, São Paulo, v. 2, p. 211-232, 2015.

ARRETCHE, Marta. Democracia e redução da desigualdade econômica no Brasil: a inclusão dos outsiders. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 33, n. 96, p. 1-21, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v33n96/0102-6909-rbcsoc-3396132018.pdf. Acesso em: 24 jun. 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25 mar. 2020.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução: Fernando Tomaz. Lisboa: Difusão Editorial; Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A., 1989.

CANELA JÚNIOR, Osvaldo. Controle judicial de políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2011.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Porto Alegre: Fabris, 1998.

CENTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS E PESQUISAS JUDICIAIS; CENTRO DE PESQUISA JURÍDICA APLICADA DA ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS. Avaliação da prestação jurisdicional coletiva e individual a partir da judicialização da saúde. São Paulo: CEBEPEJ: FGV, 2014. Disponível em: https://cpja.fgv.br/sites/cpja.fgv.br/files/relatorio_final_judializacao_da_saude.pdf. Acesso em: 25 jun. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Relatório analítico propositivo: justiça pesquisa direitos e garantias fundamentais: ações coletivas no Brasil: temas, atores e desafios da tutela coletiva. [Brasília, DF]: CNJ, 2018. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2011/02/799b01d7a3f27f85b334448b8554c914.pdf. Acesso em: 24 jun. 2020.

DANIEL, Juliana Maia. Discricionariedade administrativa em matéria de políticas públicas. In: GRINOVER, Ada Pellegrini; WATANABE, Kazuo. O controle jurisdicional de políticas públicas. Rio de Janeiro: Forense, 2013. p. 93-124.

FREYRE, Gilberto. Sociologia: uma introdução aos seus princípios. Rio de Janeiro: José Olympio, 1945.

GALANTER, Marc. Por que “quem tem” sai na frente [recurso eletrônico]: especulações sobre os limites da transformação no direito. Organizadora e tradutora, Ana Carolina Chasin. São Paulo: FGV, 2018.

GARGARELLA, Roberto. Constitucionalismo latino-americano: direitos sociais e a “sala de máquinas” da Constituição. Universitas Jus, Brasília, v. 27, n. 2, p. 33-41, 2016. Disponível em: https://www.publicacoes.uniceub.br/jus/article/view/4308. Acesso em: 25 jun. 2020.

GRINOVER, Ada Pellegrini. O Controle jurisdicional de políticas públicas. In: GRINOVER, Ada Pellegrini; WATANABE, Kazuo. O controle jurisdicional de políticas públicas. Rio de Janeiro: Forense, 2013. p. 125-150.

HOLANDA, Marianna Assunção Figueiredo. Por uma ética da (in)dignação: repensando o humano, a dignidade e o pluralismo nos movimentos de lutas por direitos. 2015. 201 f. Tese (Doutorado em Bioética) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

JUNQUEIRA, Eliane Botelho. Acesso à justiça: um olhar retrospectivo. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 18, p. 389-402, 1996. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2025/1164. Acesso em: 19 Jun. 2020.

LAURIS, Élida. Para uma concepção pós-colonial do direito de acesso à justiça. Hendu – Revista Latino-Americana de Direitos Humanos, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 5-25, nov. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/hendu/article/view/2458. Acesso em: 16 mar. 2020.

ODAR, Reynaldo Mario Tantaleán. El alcance de las investigaciones jurídicas. Avances – Revista de Investigación Jurídica, [S. l.], v. 10, n. 11, p. 221-236, 2015. Disponível em: http://revistas.upagu.edu.pe/index.php/AV/article/view/133. Acesso em: 25 jun. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: UNIC Rio, 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf. Acesso em: 16 mar. 2020.

RODRÍGUEZ-GARAVITO, César; RODRÍGUEZ-FRANCO, Diana. Cortes y cambio social: como la corte constitucional transformo el desplazamiento forzado en Colombia. Bogotá: Centro de Estudios de Derecho, Justicia y Sociedad, Dejusticia, 2010.

SADEK, Maria Tereza Aina. Acesso à justiça: porta de entrada para a inclusão social. In: LIVIANU, R. Justiça, cidadania e democracia. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social, 2009. p. 170-180. Disponível em: http://books.scielo.org/id/ff2x7/pdf/livianu-9788579820137-15.pdf. Acesso em: 19 jun. 2020.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mão de Alice – o social e o político na pós-modernidade. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 13 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
MENDES DE MELO, Daniele. O PROCESSO ESTRUTURAL COMO MECANISMO DE ACESSO A DIREITOS SOCIAIS POR GRUPOS VULNERÁVEIS: ressignificação do papel do poder judiciário. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, [S.l.], v. 24, n. 48, p. 130-145, jul. 2020. ISSN 2177-8337. Disponível em: <http://revistaauditorium.jfrj.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/370>. Acesso em: 29 set. 2020. doi: https://doi.org/10.30749/2177-8337.v24n48p130-145.