MULHERES E DEFICIÊNCIA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS?

Resumo

Esse trabalho pretende convocar a refletir sobre as relações e articulações entre gênero e deficiência, tema que ainda é periférico nos estudos acadêmicos contemporâneos. A partir das inquietações trazidas pelo meu trabalho na Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da OAB/RJ, há a pretensão de estudar o tema da interface entre a epistemologia feminista e os estudos sobre deficiência, especialmente sob a ótica da visibilidade das mulheres com deficiência e das mulheres cuidadoras de pessoas com deficiência diante da sociedade atual, do diálogo interseccional entre gênero e deficiência e da perspectiva do cuidado e da interdependência como valores humanos e direitos fundamentais que se aplicam a pessoas com e sem deficiência. Nesse sentido, pretende-se compreender a real importância da transversalidade da deficiência nas políticas de gênero, a partir das novas reflexões político-teóricas do feminismo, propondo-se a incorporação de demandas na área da deficiência. 

Referências

AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento. Justificando, 2018.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 175, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 24 jan. 2019.

DINIZ, D. Modelo Social de deficiência: a crítica feminista. SérieAnis, Brasília, DF, v. 28, p. 1-8, jul. 2003.

_____. O que é deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007.

FERRI, A.; GREGG, N. Women with Disabilities: Missing Voices. Women’s Studies International Forum, [London], v. 21, n. 4, p. 429- 439, 1998.

MELLO, A. G. Gênero nas políticas da deficiência, deficiência nas políticas para mulheres: uma análise de documentos oficiais sobre violências contra mulheres com deficiência. In: MORAES, M. et al. (org.). Deficiência em questão: para uma crise de normalidade. Rio de Janeiro: Nau, 2017. p. 163-192.

MELLO, A. G.; NUERNBERG. A. H. Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 635-655, set./dez. 2012.

MOHANTY, C. T. Feminism without Borders. Durham; London: Duke University Press, 2003.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Estudio temático sobre la cuestión de la violencia contra las mujeres y las niñas y la discapacidad. [S.l.]: Conselho de Direitos Humanos, 2012. Disponível em: https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/BDL/2014/9693.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.
Publicado
2019-07-23
Como Citar
PILUSO, Roberta Pinheiro. MULHERES E DEFICIÊNCIA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS?. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, [S.l.], v. 23, n. 45, p. 174-186, jul. 2019. ISSN 2177-8337. Disponível em: <http://revistaauditorium.jfrj.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/200>. Acesso em: 28 maio 2020. doi: https://doi.org/10.30749/2177-8337.v23n45p174-186.