POLÍTICAS PÚBLICAS NO ÂMBITO DO EMPREENDEDORISMO FEMININO: PERSPECTIVAS DE EMPODERAMENTO

  • Gustavo Pedroso Malavota UNISUAM - Centro Universitário Augusto Motta
  • Maria Natalina Cinegaglia http://orcid.org/0000-0003-3514-5501
  • Silvia Conceição Reis Pereira Mello Centro Universitário Augusto Motta

Resumo

A chegada do século XXI trouxe diversos novos parâmetros para o sectarismo de gênero que permeia a sociedade mundial, e principalmente brasileira. Um destes é a chegada do conceito de empoderamento feminino através da inserção da mulher no meio de trabalho, efetivamente. No entanto, por um caráter de inserção subalterno, de substituta à mão de obra masculina, houve o desenvolvimento de uma herança hierárquica no papel da mulher no mercado de trabalho, onde o gênero feminino se encontra nivelado por baixo. Dentro desse contexto, assim como o de liberdade individual e independência de gênero surgem os parâmetros necessários para compreender a importância do desenvolvimento de direitos civis e conscientização coletiva do papel da mulher no meio laboral, como o exemplo da Agenda 2030. Dentro dessa lógica, o empreendedorismo feminino é pioneiro, assim como a introdução da mulher através do varejo. Com destaque para o recorte social no Rio de Janeiro, que demonstra um ótimo recorte espacial para este estudo, que trabalhará a influência das políticas públicas para a introdução da mulher em patamar de igualdade sob termos profissionais.


 

Referências

BNDES PRONAF MULHER. Disponível em: Acesso em 17/12/2018.
BOURDIEU, P. (1999). A dominação masculina. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.
BRASIL, Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp128.htm. Acesso em: 31/10/2018
CRUZ, C. F.; Os motivos que dificultam a ação empreendedora conforme o ciclo de
DYE, T. D. UnderstandingPublicPolicy. EnglewoodCliffs, N.J.: PrenticeHall. 1984.
FERNANDES, T. dos S.; LOPES, G. S. C.; WATANABE, M.; YAMAGUCHI, C. K.; GODOI, C. K.; Dimensões do empoderamento feminino: autonomia ou dependência? Revista Alcance, vol. 23, nº 3. 2016. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/ra/article/view/8987; Acesso em: 22/10/2018
https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/180489/102_00057.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 07/12/2018
https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102208. Acesso em: 02/12/2018
ITAÚ MULHER EMPREENDEDORA. Disponível em: https://imulherempreendedora.com.br/posts/gestao/tipos-de-credito-quais-sao-e-como-usa-los Acesso em 17/12/2018.
JOHANSSON-NOGUÉS, E. GenderingtheArab Spring? Rightsand (in)securityofTunisian, EgyptianandLibyanwomen. SageJournals, vol. 44, issue 5-6, 2013. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0967010613499784. Acesso em: 25/10/2018
LASWELLLaswell, H.D. Politics: Who GetsWhat, When, How. Cleveland, Meridian Books. 1936/1958.
LEÓN, M. El empoderamientoenlateoría y prácticadel feminismo. 1997. Universidad Nacional de Colombia. Bogotá, 1995.
LEVY,G.; As sete mulheres que inspiram. Dissponínel em https://endeavor.org.br/desenvolvimento-pessoal/mulheres-empreendedoras/ Acesso em 17/12/2018.
LYNNLynn, L. E. DesigningPublicPolicy: A Casebookonthe Role ofPolicyAnalysis. Santa Monica, Calif.: Goodyear. 1980
MEAD, L. M. PublicPolicy: Vision, Potential, Limits, PolicyCurrents, fevereiro: 1-4. 1995.
NEWSOM, V.; LENGEL, L.; ArabWomen, Social Media, andtheArab Spring: applyingthe framework of digital reflexivitytoanalyzegenderand online activism. JournalofInternationalWomen’sStudies, vol. 13, issue 5, article 5. BridgewaterUniversity, Massachusset, United States 2012. Disponível em: https://vc.bridgew.edu/jiws/vol13/iss5/5/. Acesso em: 25/10/2018
PETERS, B. G. American PublicPolicy. Chatham, N.J.: ChathamHouse. 1986.
ROWLANDS, Jo.Empoderamiento y mujeresruralesen Honduras: un modelo para eldesarrollo. Poder y empoderamiento de lasmujeres. Universidad Nacional de Colombia. Bogotá, 1995.
ROWLANDS, Jo. Empowerment Examined. Development in Practice 5 (2): 101-107. 1997. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/0961452951000157074. Acesso em: 31/10/2018.
SAY, Jean-Baptiste. Tratado de Economia Política. Paris, França. 1803.
SCHIAVO, M. R.; MOREIRA, E. N. Glossário Social.Rio de Janeiro: Comunicarte, 2005.
SCHIAVO, M. R.; MOREIRA, Eliesio, N. Glossário Social.Rio de Janeiro: Comunicarte, 2005.
SILVA, F. P.; MOTA, L. da S.; BORGES, R. A. S.; COUTO, T. S.; SILVEIRA, T. C.. Empreendedorismo Social. 2012. Revista Facmais, vol. II, nº 6
SPRICIGO, C.; Gestão Empresarial e ascensão feminina: Estudo de caso em uma empresa da região sul do Brasil.
STROBINO, M. R. de C. e TEIXEIRA, R. M.; Empreendedorismo feminino e o conflito trabalho-família: estudo de multicasos no setor de comércio de material de construção da cidade de Curitiba. Disponível em: https://www.redalyc.org/html/2234/223430155006/ Acesso em: 18/12/2018
U.S. Departmentof Labor. EmploymentofWomen in War Production. Bulletin. 1942. vida das organizações. Um estudo de caso: Pramp’s Lanchonete. Disponível em: VIEITEZ, C. G. Economia solidária e o desafio da democratizaçãodas relações de trabalho no Brasil. São Paulo, Arte & Ciência, 1999.
Publicado
2019-07-23
Como Citar
MALAVOTA, Gustavo Pedroso; CINEGAGLIA, Maria Natalina; REIS PEREIRA MELLO, Silvia Conceição. POLÍTICAS PÚBLICAS NO ÂMBITO DO EMPREENDEDORISMO FEMININO: PERSPECTIVAS DE EMPODERAMENTO. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, [S.l.], v. 23, n. 45, p. 161-173, jul. 2019. ISSN 2177-8337. Disponível em: <http://revistaauditorium.jfrj.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/170>. Acesso em: 17 out. 2019.