REFLEXOS DO MACHISMO ESTRUTURAL BRASILEIRO EM TEMPOS DE COVID 19: quando o distanciamento social é tão letal quanto o vírus

Resumo

O presente artigo se trata de uma pesquisa bibliográfica, através da metodologia exploratória, que ergueu seu referencial teórico na busca por levantamento de dados em tempos de pandemia, no qual o número de denúncias feitas em relação a violência doméstica aumentou 34% entre março e abril deste ano em comparação ao mesmo período do ano anterior, conforme dados recentes que serão discutidos nessa produção. Esse aumento exponencial de casos de agressões e feminicidios reafirmam a preponderância de relacionamentos abusivos no Brasil e o quanto a cultura do silêncio das vítimas de violência ainda é latente e estruturalmente construído. Desde a falas como “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher até “apanha porque gosta fica porque quer”. Nesse cenário pandêmico, em que o distanciamento social é a orientação precípua da OMS, o silêncio dessas mulheres e o consequente afastamento de amigos e parentes próximos torna-se efetivamente os maiores cúmplices da violência de gênero.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Graduada em Direito pelo Centro Universitário AGES, UniAGES. Pós-graduada Lato Sensu em Direito de Processo Civil pela Faculdade Futura.

##submission.authorWithAffiliation##

Graduada em Direito pelo Centro Universitário AGES, UniAGES.  Pós-graduanda Lato Sensu em Direito de Processo Civil e em Advocacia no Direito Digital e Proteção de Dados.

##submission.authorWithAffiliation##

Graduada em Letras Vernácula pela UNEB. Graduada em Direito pelo Centro Universitário AGES, UniAGES. Pós-graduada em Docência do Ensino Superior pela Faculdade de Ciências e Tecnologias, FTC. Pós-graduanda Lato Sensu em Direito do Processo Civil pela Faculdade Futura.

Publicado
2020-10-29
Como Citar
DE OLIVEIRA, Amanda Santos; OLIVEIRA, Gabriela Carvalho; CARDOSO, Janaína Sabina. REFLEXOS DO MACHISMO ESTRUTURAL BRASILEIRO EM TEMPOS DE COVID 19: quando o distanciamento social é tão letal quanto o vírus. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, [S.l.], v. 24, n. 49, p. 93-111, out. 2020. ISSN 2177-8337. Disponível em: <http://revistaauditorium.jfrj.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/466>. Acesso em: 23 jan. 2021. doi: https://doi.org/10.30749/2177-8337.v24n49p93-111.